coleção 3

Ensaios de Março, 2021

Filtro dos Sonhos . Gabriel Bueno

Desenlace . Ana Dora

 

 

Filtro dos Sonhos . Gabriel Bueno

Uma narrativa, uma perseguição. Grão contrastado. No ensaio Filtro dos Sonhos somos convidados a ocupar o papel do voyeur, a nos perder no caleidoscópio. A atmosfera desfocada, a escolha de ângulos, as imagens em movimento, as repetições nos remetem ao mundo onírico. Os sonhos. O filtro dos sonhos no retrovisor do carro abandonado. Gabriel Bueno gosta de fotografar em branco e preto, película, analógica. Ele gosta de caminhar à deriva com sua máquina fotográfica pelas ruas da cidade em que mora. Registra traços da realidade que o contorna. Fura o contorno e nos joga na ficção. Quem são eles? Trata-se de uma memória? Cenas de um filme? Ela está de costas. No chuveiro? Quem é ela? Quem são? Alguém foge de bicicleta. Foge da chuva? ela ou o fotógrafo o persegue, de carro. A mulher está parada no meio da rua, ela observa. Nós observamos por meio do jogo de espelhos. Quem é essa mulher? O carro. Filtro dos sonhos. Não sei se é mesmo um corcel. Ela entra no carrossel? Ele espera. Na sala de espera de um aeroporto. O umbigo do sonho. As ruas perto de sua casa. Cotidiano. Não é justamente disso que se trata? Uma fotografia, o conjunto delas, uma narrativa.

Gabriel Bueno é Designer, chef em viennoiserie, disfarçado de fotógrafo. Sua fotografia é construída a partir de fragmentos da realidade, nos transportando para um universo imaginário. Para ele, a fotografia analógica permite não ter pressa, e o acalma através do silêncio e do drama capturados pelo filme preto e branco.

 

 

Ana Dora . Desenlace

“A fotografia começou pra mim antes de ter uma câmera. Como diário íntimo, as fotos  vinham ao meu encontro. Não que veja as cenas dentro de quadrantes e linhas retas”, explica Ana Dora. “Vejo inquietude, acontecimentos que escapam”. E, é disso que se trata. O ensaio Desenlace investiga o que foge ao 3x2 da fotografia. O foco está no desenlace da cena congelada. O olhar do gato deslocado. Restringindo intencionalmente o campo de visão, Ana convida o espectador a extrapolar o enquadre e se questionar sobre os limites da  fotografia enquanto forma de representação isolada.O ensaio é parte de uma pesquisa visual em curso. “Montei esse projeto, para, investigar a minha maneira de capturar os acontecimentos que vem ao meu encontro”. Segundo Ana, no centro de sua investigação está a força centrífuga - isto é, aquilo que joga o movimento para fora do quadro. Gosto quando  a cena  extrapola o enquadramento, diz ela. “O zoom invasivo que revela um detalhe que se perderia no dia a dia, as sobreposições, as longas exposições, a  imprevisibilidade do movimento. Gosto de brincar com os enquadramentos e re-enquadres, de escolher o que escondo e o que revelo”.

 

Ana Dora é arquiteta, fotógrafa e investigadora visual. A fotografia começou antes de ganhar uma câmera. Na pintura, no desenho, nas experiências da infância. Eram enquadramentos, movimentos, formas de ver. Hoje fazem parte de uma investigação visual de imagens em movimento como formas de representar o espaço. As ações são investigadas levando em consideração a imprevisibilidade causada pela quarta dimensão, o tempo.

 

 

 
Pague com
  • Mercado Pago
  • Mercado Pago
Selos
  • Site Seguro

CLARA DE FREITAS FIGUEIREDO 05007650900 - CNPJ: 27.986.818/0001-81 © Todos os direitos reservados. 2021